Blog

size_960_16_9_curriculo2

A primeira função de um currículo é instigar o recrutador a chamá-lo para uma entrevista de emprego. A segunda função é servir como roteiro da conversa na etapa presencial do processo seletivo. Em qualquer um destes dois momentos, o currículo pode abrir ou fechar as portas de uma oportunidade de trabalho. Fique atento para não cometer erros gramaticais, de digitação ou de informação, que podem causar má impressão. Não minta, pois, se o recrutador descobrir, provavelmente, ficará em dúvida sobre a veracidade dos demais dados no currículo. Objectividade também é regra geral do bom currículo: duas páginas bastam até para o mais experiente dos profissionais. O ideal é deixar algumas informações para conversar durante a entrevista e surpreender positivamente o recrutador. É importante saber selecionar o que vai entrar no currículo de modo a chamar a atenção do recrutador. Para ajudar profissionais, falaremos de 3 (três) modelos básicos de Curriculum, que devem ser utilizados consoante o âmbito específico a que se destinam e o perfil do candidato que o elabora. É  importante saber adequar o tipo de CV ao seu perfil profissional, pois optar pelo modelo errado pode trazer prejuízos sérios para a sua candidatura.

Conheça as características de cada tipo e descubra qual o que melhor se ajusta à sua carreira.

I. CURRICULUM FUNCIONAL

Neste tipo de Curriculum a informação disponibilizada deve adequar-se diretamente ao objetivo do candidato. Seja para resposta a anúncio ou candidatura ativa, o Curriculum Funcional corresponde especificamente ao que é pretendido, cabendo ao candidato selecionar os pontos fortes do seu perfil.

O modo de organização temático, facilita a leitura e possibilita ao selecionador uma rápida visualização dos campos mais importantes: a formação e experiência profissional.

O ponto de destaque deste tipo de CV’s são as habilitações académicas ou as funções desempenhadas fazendo-se, em cada uma delas, a descrição detalhada das atividades profissionais correspondentes. Em segundo plano, encontram-se as empresas onde foram desempenhadas estas funções, podendo mesmo, neste tipo de CV’s, nem sequer ser referidas.

Como não segue qualquer ordem cronológica e acentua as capacidades profissionais, este tipo de CV é um bom instrumento de marketing pessoal pois permite a seleção dos pontos positivos, omitindo outros menos positivos.  É modelo ideal para salientar conhecimentos técnicos e competências pessoais e comportamentais.

Quem o deve utilizar:

– Profissionais que tiveram uma paragem de carreira (por exemplo, pelo nascimento dos filhos ou um ano sabático);

– Profissionais que pretendam omitir algum episódio da sua carreira (por ex.: uma não renovação de contrato, um despedimento litigioso, etc…)

– Profissionais com pouca formação ou habilitações académicas;

– Profissionais com um percurso profissional extenso;

– Profissionais com um percurso profissional instável, que mudam de emprego frequentemente;

– Profissionais com experiências muito diversificadas entre si;

– Profissionais que pretendem uma evolução dentro da empresa onde estão;

– Recém licenciados ou profissionais à procura do primeiro emprego;

– Profissionais com pouca experiência profissional;

– Desempregados de curta ou longa duração;

II. CURRICULUM CRONOLÓGICO 

É tipicamente o modelo mais utilizado para respostas a ofertas de vagas, seguindo a estrutura mais facilmente adaptável a uma entrevista de emprego. Neste caso, a informação é fornecida seguindo uma ordem cronológica, destacando a evolução de carreira do candidato. É por isso indicado para pessoas que já tenham um percurso profissional longo e estável.

Poderá optar por uma ordem cronológica ascendente ou descendente, com preferência para esta última, em que a informação é colocada da mais recente para a mais antiga (CV Cronológico Inverso). Neste caso, salienta-se a última experiência profissional que é, naturalmente, a que mais interessa a potenciais empregadores.

Ao contrário do CV funcional, no cronológico é essencial nomear as empresas onde desempenhou cada função. Por outro lado, a ordenação cronológica pode também ser prejudicial a quem tenha paragens ou quebras no seu percurso difíceis de justificar .

Quem o deve utilizar:

– Profissionais com percursos profissionais estáveis;

– Profissionais que têm tido promoções regulares na sua carreira;

– Profissionais com alguns anos de atividade profissional;

– Recém licenciados que já têm alguma experiência profissional;

– Profissionais com uma larga componente académica no seu perfil;

III. CURRICULUM MISTO OU COMBINADO 

Mais flexível que os anteriores, o CV misto ou combinado reúne, como o próprio nome indica, as vantagens do Curriculum Cronológico e Funcional.

Começa a ser o modelo mais utilizado pelos candidatos, e também o preferido entre recrutadores. Neste caso, a ordem cronológica é associada à especificação detalhada das funções desempenhadas, com possibilidade de salientar cada área de experiência, competências e sucessos obtidos.

 Quem o deve utilizar:

– Profissionais que pretendem mudar de empresa mas manter-se no mesmo ramo de atividade;

– Profissionais com um percurso profissional sólido e estável;

Leave a Comment

Your email address will not be published.